A América começou aqui!

Há milhões de anos o oceano Atlântico começou a surgir, no processo de separação dos continentes, abrindo-se de Sul para Norte e deixando surgir a famosa crista dorsal atlântica. Os Açores nasceram das erupções vulcânicas, ligadas a essa evolução, que continua hoje em dia.

Em meados do século XV, antes da chegada de Colombo à América, a partir dos Açores, Corte-Real, João Fernandes, o lavrador, Pedro de Barcelos e outros, andaram por lá. Na ilha Terceira nasceu Simão Fernandes, que, ao serviço de Sir Walter Raleigh, participou, em 1587, na tentativa de instalação daquela que ficou conhecida por Colónia Perdida de Roanoke. Peter Francisco, herói dos exércitos de George Washington, nas guerras da independência, nasceu na ilha Terceira. Igualmente episódios da guerra civil Americana e do armamento dos “blockade runners” confederados aconteceram por aqui, na Praia da Vitória e em Angra. Desde essas aventuras até hoje, podemos ainda acrescentar a presença americana na Base Aérea das Lajes e as cimeiras de 1971 e 2003.

João Vaz Corte Real

Em finais do século XV, os portugueses Pêro de Barcelos e João Fernandes Lavrador, bem como os irmãos Gaspar Corte Real e Miguel Corte Real partiram da Ilha Terceira, numa viagem de exploração no Atlântico, chegando à Gronelândia e outros locais, que se acredita terem sido visitados anteriormente pelo pai, João Vaz Corte Real, e por outro navegador, Álvaro Martins Homem, 19 anos antes da chegada de Colombo à América.

Inicie o percurso no Miradouro do Cantagalo onde se refere toda a aventura dos primeiros descobrimentos.

Simão Fernandes

Simon Fernandes (Ilha Terceira, c. 1538 – c. 1590)

Navegador português do século XVI e pirata que pilotou as expedições inglesas de 1585 e 1587 para fundar colônias na ilha de Roanoke, parte da moderna Carolina do Norte mas então conhecido como Virgínia. Fernandes treinou como navegador na famosa Casa de Contratación em Sevilha, mas depois pegou em armas contra o império espanhol. Acusado de pirataria em 1577, foi salvo da forca por Sir Francis Walsingham, tornando-se protestante e súdito da rainha da Inglaterra. Em 1578 entrou ao serviço de Sir Humphrey Gilbert e mais tarde Sir Walter Raleigh, pilotando a fracassada expedição de 1587 a Roanoke, conhecida na história como a “Colônia Perdida”. Fernandes desaparece dos registos depois de 1590, quando partiu com uma frota inglesa para os Açores. Uma cópia de um de seus mapas da costa leste da América do Norte ainda sobrevive na Cotton Collection, e foi uma das principais fontes usadas por John Dee para seu mapa de 1580 justificando as reivindicações inglesas à América do Norte.

Peter Francisco

O Incrível Hulk da Revolução Americana

Nascido numa família rica no Porto Judeu na Ilha Terceira, Peter Francisco era conhecido como “O Gigante da Virgínia”, o “Gigante da Revolução” e o “Hércules da Virgínia”, e foi homenageado pela comunidade portuguesa em New Bedford (Massachusetts). Ele lutou ao lado de George Washington e do Marquês de Lafayette em defesa da independência de sua pátria adotiva.

“Caro Sr. Peter Francisco, meirinho da Câmara dos Representantes e soldado da Guerra da Revolução Americana, elogiado por sua coragem intrépida e por suas brilhantes realizações.” in obituário de Richmond Enquirer

Visite onde nasceu e onde foi raptado Peter Francisco.

CSS Run'her

O Run’her foi um barco a vapor construído na Inglaterra em 1863, nos estaleiros John & William Dugeon, para os Estados Confederados da América, que naufragou na baía de Angra do Heroísmo em 1864.

No contexto da Guerra Civil dos Estados Unidos da América (1861-1865), este navio a vapor fazia parte de uma frota de quatro brocas de bloqueio, que transportavam equipamentos para montagem e colocação de minas navais.

Durante a viagem à Confederação, fez escala em Angra do Heroísmo, onde naufragou, a 5 de Novembro de 1864, devido a um erro de manobra atribuído ao seu capitão, Edwin Courtenay.

Pontos de interesse: Baía de Angra do Heroísmo e Praia grande da Praia da Vitória

Operação Alacrity

Operação Alacrity era o codinome de uma operação militar planeada pelo Alto Comando dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial, cujo principal objectivo era a ocupação dos Açores por motivos estratégicos.

A operação não se concretiza porque o embaixador britânico em Lisboa, Ronald Campbell, juntamente com Anthony Eden, convence Churchill e Roosevelt a optar pela via diplomática. A opção defendida por Ronald Campbell acaba triunfando. Inglaterra invoca a Aliança Luso-Britânica e Salazar concede o estabelecimento de bases militares nos Açores

Ponto de interesse: Base Aérea nº4

Cimeira das Lajes (1971)

A Terceira no centro do mundo!

A Cimeira das Lajes, em Dezembro de 1971, na Ilha Terceira, era o centro do mundo. Foi na pousada Serreta, hoje abandonada, que Marcelo Caetano recebeu os presidentes americano e francês, Nixon e Pompidou, em uma cúpula para enfrentar a crise econômica da época.

“Foi aqui formulado o histórico Acordo dos Açores, no qual pela primeira vez em 37 anos. O dólar foi desvalorizado em termos de ouro. Também foi feita a nova relação de igualdade econômica virtual dos EUA, Europa Ocidental e Japão. O acordo foi concluído após uma série de reuniões, que totalizaram 12 horas, apenas entre as duas lideranças, o que foi inusitado. Pode ser um dos tremendos acordos internacionais da era pós-guerra. “
por The New Yorker

Visita a Estalagem da Serreta e Museu da Base Aérea nº4

Cimeira das Lajes (2003)

O início da guerra no Iraque foi ditado no meio do Atlântico.

George W. Bush (EUA), Tony Blair (Reino Unido) e José Maria Aznar (Espanha), recebidos pelo Primeiro-Ministro português Durão Barroso, reuniram-se, na tarde de 16 de março de 2003, para uma cimeira que culminou a quatro dias depois, na madrugada do dia 20 do mesmo mês, com o início da intervenção militar no Iraque.

Visita ao Núcleo Expositivo da FAP da Base Aérea nº4 todas as sextas-feiras (reserva 24h antecedência). + info através email turismo@cmpv.pt I Tel. (+351) 295 540 106

Americanos na Ilha

São 60 anos com a permanência de famílias americanas na ilha, com base na presença de 5.000 pessoas, mudando a cada dois anos. Por aqui já passaram várias celebridades, tais como Frank Sinatra…

Descubra os lugares e atividades favoritos dos americanos durante a sua estadia na ilha! Inspire-se lendo o livro "Uma história de Amor" de Joel Neto, para um retrato dos portugueses da Base das Lajes e das relações de afecto que o tempo deixou para trás.
Profissionais que podem guiá-lo neste roteiro:

Filipe Rocha

Guia Turístico

Filipe Rocha

Guia Turístico

Partilhe com Amigos
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email