Sara Freitas

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Nasceu e viveu na ilha Terceira até aos 20 anos. A Sara é defensora da ilha “pelo seu povo alegre e hospitaleiro, pelos variados tons de verde, bem como as negras rochas vulcânicas que contrastam com o azul do mar e que oferecem uma linda paisagem que transmite uma enorme tranquilidade. A cidade Angra do Heroísmo é património mundial, sendo um interessante ponto turístico com a sua arquitetura secular, as ruas empedradas, igrejas e museus.”

Um recanto especial que tem a mania que é seu, é o Monte Brasil. “Para além da natureza, oferece uma vista para a bela cidade de Angra do Heroísmo.”

Se um amigo de Sara for visitar a Terceira, não pode deixar de conhecer os “Biscoitos, Algar do Carvão, Serra do cume, Farol das Contendas, Mata da Serreta, Gruta do Natal e, é claro, a cidade de Angra do Heroísmo.”

A fotografia tipo postal, a dizer “Eu estive aqui”, para ela deve ser tirada  na Memória com vista para a nossa cidade.

O hábito ou a tradição típicos da ilha e que mais aprecia são as Festas do Espírito Santo. “É interessante como os terceirenses vivem estas festas com tanta fé!”

Considera que as Sanjoaninas são as festas mais divertidas de sempre e as que viveu com mais intensidade. No entanto o Carnaval, com a maior expressão de teatro popular da ilha, também não fica atrás, com os seus tão conhecidos “bailinhos”e quando está na ilha também costuma viver intensamente.

A nível gastronómico, o que a deixa Sara com água na boca é a alcatra, o peixe e a doçaria regional.

Todos anos pelas Festas da Serreta, as pessoas fazem romaria ate à Nª Srª dos Milagres. Como nessa época do ano a Sara costuma estar no Brasil, nas férias do Natal, junto com duas amigas, costuma fazer essa romaria tendo-se tornado uma tradição muito delas. No caminho, fazem questão de sempre passar no Queijo vaquinha!

Um dia perfeito na Terceira para a Sara é acordar cedo num belo dia de Verão e dar um mergulho à Silveira, depois rumar aos Biscoitos e dar um outro mergulho no “abismo”. Voltar para Angra, passear de barco e ver golfinhos. À noite jantar um peixinho e depois ir a uma festa (tem festas o Verão todo) e tomar uma sangria.

Por Sara Freitas, 33 anos, atriz

 

Artigos Semelhantes