Um paraíso geológico

Por: Francisco Cota Rodrigues, Doutorado em Ciências do Ambiente

A ilha Terceira exibe paisagens naturais, marcadas por vulcões, torrentes de lava, vegetação endémica e um diversificado património espeleológico. É possível explorar as maravilhas da ilha pelos mais variados prismas. A pé, de carro e de barco partimos à descoberta de cenários idílicos  que jamais se apagarão da nossa memória.

O litoral da ilha oferece cenários de rara beleza, marcados pela penetração da lava no oceano e por cones vulcânicos. O Monte Brasil é o mais imponente vulcão litoral do Açores que teve origem em erupções submarinas que ocorreram há menos de 22 000 anos ao largo da ilha. Nos ilhéus observamos espécies vegetais endémicas e autênticos santuários de aves marinhas que repousam nos restos de antigos vulcões submarinos.

Pelo interior da ilha, percorremos a pé campos de lava recentes numa das zonas vulcânicas mais activas da ilha Terceira, os Mistérios Negros e Pico Gaspar. A subida até ao cone vulcânico do Pico Gaspar é feita por entre paisagens deslumbrantes, rodeados por tons verdes da flora e fauna endémicas. Paragem obrigatória junto à lendária Lagoa do Negro e visita à Gruta do Natal, cavidade vulcânica que teve origem das lavas emitidas pelo vulcão do Pico do Gaspar, há cerca de uma dezena de milhar de anos atrás.

Do alto do majestoso vulcão de Santa Bárbara, no Pico Rachado, o traçado das paisagens deslumbra-nos. Atravessamos uma reserva natural intacta e repleta de plantas endémicas e nascentes de água cristalina. A oeste do vulcão, na zona das Lagoinhas, uma lagoa aloja-se na sua cratera. Por entre os bosques avistamos ao fundo as ilhas de S. Jorge, Pico e Graciosa.

A paragem na zona dos Biscoitos é refrescante. Mergulhamos nas piscinas naturais, originadas por erupções vulcânicas antigas. Na verdade não são únicas uma vez que ao redor da ilha podemos encontrar inúmeras piscinas naturais com estas características. Estamos numa zona vinhateira onde as uvas que nascem nas vinhas ganham um sabor singular pela sua ligação aos solos de rocha vulcânica.

Por pastagens e caminhos ladeados de hortênsias e matas selvagens, somos transportados até ao ambiente singular das fumarolas das Furnas-do-Enxofre. Um local onde a pedologia, a vulcanologia, a botânica e a biodiversidade combinam-se e deslumbram-nos. Estamos numa área protegida e cada vez mais próximos do ex-libris da ilha, o Algar do Carvão. Esta impressionante gruta exibe inúmeras estalactites e estalagmites de sílica amorfa, das estruturas mais exuberantes, raras e belas existentes nas cavidades vulcânicas dos Açores. A boca do algar dá passagem a uma conduta de forma peculiar, que termina numa lagoa de águas límpidas.

Percorrendo a Caldeira Guilherme Moniz, área de reserva natural e principal reservatório de água subterrânea da ilha, chegamos ao seu interior onde os rios de lava emitidos pelo Algar do Carvão são a paisagem.

No cimo da Serra do Cume avistamos a caldeira dos Cinco Picos. Uma visão de 180º e o cenário perfeito para registo fotográfico. Chegou ao fim a nossa expedição geológica de três dias e fica ainda um tanto por ver e por explorar.

Informações úteis

Duração recomendada: 3 ou mais dias

Nível de dificuldade: Variável

Vestuário: Aconselhável o uso de calçado confortável e corta-vento

Horários: A natureza tem a beleza de estar disponível em qualquer altura do ano. Contudo no que respeita aos trilhos sinalizados deverá informar-se pois por vezes são limitados os acessos.

Reservas: Se fizer um planeamento com alguma antecedência, através de uma agência de viagens ou marcando directamente com um guia, é possível criar percursos à sua medida e com algumas atividades complementares como passeios de bicicleta ou até mesmo um pique niques nas florestas ou parques de merendas.

Links Úteis:
– Trilho Pedestre do Monte Brasil
– Trilho Pedestre Baías da Agualva
– Trilho Pedestre Mistérios Negros

Downloads: 
– Brochura Cavidades Vulcânicas
– Brochura Gruta do Natal