Terceira Liberal

Imagine que, um dia, aquilo que era verdade deixa de o ser, que a vida – toda – muda de rumo, completamente.

Foi isso que se passou em Angra – chamava-se assim, apenas –, durante a guerra civil que atravessou Portugal entre 1828 e 1834, pondo o país a ferro e fogo e transformando esta pequena e orgulhosa cidade do Atlântico, quase da noite para o dia, em capital do Reino de Portugal, partidária da causa Constitucional e de uma jovem rainha, D Maria II e numa base militar.

Por detrás de tudo isso estavam dois príncipes irmãos, Pedro e Miguel, semelhantes, em muito, nos modos de ser, mas diferentes na estrutura de pensamento e ideais.

Pedro conseguira a independência do Brasil, que transformara em Império e a quem outorgara uma Constituição. Agora tinha sido chamado a defender os mesmos princípios constitucionais e liberais, no velho reino de Portugal, onde fervilhavam as consequências das invasões francesas e da presença, abusiva, das tropas inglesas.

Miguel era, por sua vez, fervoroso defensor de um governo mais tradicional, na linha dos partidários do antigo regime, regressados em força após a queda de Napoleão. Em Portugal o povo, sobretudo rural, mas onde se incluíam muitos intelectuais de pensamento monárquico absolutista, estava completamente do seu lado.

Miguel toma o poder em Lisboa, em Junho de 1828 e, de súbito, muitos defensores das ideias liberais e constitucionais começam a arribar à Terceira, apoiados localmente por um núcleo liberal decidido e mesmo sabendo que a generalidade da população era “miguelista”.

Inicie o roteiro na Fortaleza São João Baptista, loca onde rebentou o primeiro movimento revolucionário liberal.

Serão cinco anos de  batalhas e escaramuças, alterações legislativas profundas, moedas feitas de sinos, conventos extintos, militares aboletados, quartéis por todo o lado, guerrilhas aventurosas, um cerco inglês sem fácil explicação, casas queimadas para servir de exemplo a quem se opunha, saraus literários.

Angra e a ilha Terceira foram, assim, arrastadas para o centro de uma luta que envolveu Portugal, Brasil, e os interesses de potências estrangeiras como a França e a Inglaterra. Ao final acabaria por mudar de nome, passando a ser Angra do Heroísmo e a Praia passaria a ser Praia da Vitória.

A “ratoeira”, como lhe chamavam os miguelistas e descrentes, transformara-se no “rochedo da liberdade”. A pirâmide amarela, ao cimo do outeiro, é “Memória” do que foram esses anos verdadeiramente loucos e de como a liberdade Constitucional foi alcançada, em Portugal.

Não deixe de visitar a Memória, monumento erigido à memória de D. Pedro, primeiro imperador do Brasil, quarto rei de Portugal e Duque de Bragança
Profissionais que podem guiá-lo neste roteiro:

Filipe Rocha

Guia Turístico

Filipe Rocha

Guia Turístico

Partilhe com Amigos

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email